Ícone do site NeuronUP Brasil

Intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down

intervenção cognitiva síndrome de down

A Aura Fundació explica neste artigo como eles realizam a intervenção cognitiva em pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais com a NeuronUP em sua fundação.

Em setembro de 2017, a Aura Fundació iniciou a implementação e a adaptação da NeuronUP para pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais.

Um dos principais motivos pelos quais escolhemos esse programa é o tipo de atividades que ele oferece. Os exercícios da NeuronUP obedecem aos princípios de “generalização e/ou transferência”. Esses princípios se encaixam na filosofia e metodologia de trabalho que a Aura sempre seguiu, a metodologia de aprendizado mediado.

Pudemos verificar que é de grande benefício tanto em nível cognitivo quanto funcional, pois é facilmente aplicável na vida cotidiana. Também favorece um aumento no grau de motivação e envolvimento da pessoa e melhora a autonomia pessoal e a autoestima. Além disso, facilita a manutenção das competências psicossociais necessárias para as atividades da vida cotidiana e social dessas pessoas.

«Trabalhar com computadores e tablets é mais estimulante e motivador.»

Concentrando-nos na área de treinamento cognitivo, e para trabalhar as diferentes habilidades, fazemos o trabalho preliminar de apresentar o programa e a preparação, que consiste em “aprender a aprender”. Isso inclui a definição de cada uma das funções e processos cognitivos.

Por exemplo, explicar o que significa atenção e descrever os subtipos (atenção sustentada, atenção seletiva, atenção alternada), buscando exemplos práticos da vida cotidiana em diferentes contextos (família, trabalho, lazer, etc.).

Intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down

A Aura Fundació explica como realizar uma intervenção cognitiva em pessoas com síndrome de Down.

Primeira fase da intervenção

Na primeira fase da intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down, começamos com um pequeno grupo de participantes usando a NeuronUP como programa de estimulação cognitiva. Revisamos “uma a uma” todas as atividades do programa (tanto na versão digital quanto na versão em papel). Em seguida, elaboramos um programa com diferentes níveis de dificuldade.

Um dos aspectos mais positivos de trabalhar com a NeuronUP é que as atividades oferecidas na versão “adulta” têm um conteúdo muito prático e funcional. Além disso, elas são apresentadas de uma maneira atraente com fotografias.

De todas as funções cognitivas que a NeuronUP trabalha, selecionamos aquelas que acreditamos que possam ser mais benéficas inicialmente para pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais, planejando as sessões de forma que sejam trabalhadas gradualmente, de menor para maior dificuldade, a fim de ajustá-las ao progresso e às necessidades dos participantes.

Mudanças na intervenção cognitiva em pessoas com síndrome de Down

Ao longo dos meses em que o programa foi aplicado, fizemos algumas adaptações em relação ao tempo de aplicação e ao tipo de atividades.

Por exemplo, eliminamos algumas atividades porque eram difíceis para eles entenderem. Além disso, estendemos o tempo de conclusão porque eles não tinham tempo para ler o enunciado quando a atividade já estava em andamento. Aqui estão algumas das alterações que fizemos.

Um dos aspectos que tem sido muito útil é a possibilidade de ouvir a instrução enquanto você a lê. Além disso, algo muito benéfico é poder realizar um breve teste da atividade para garantir que ela tenha sido compreendida e assimilada adequadamente.

Segunda fase da intervenção

Em uma segunda fase de intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down, elaboramos um novo programa com os mesmos níveis de complexidade dos anteriores, mas com novas atividades.

Estes programas incluíam as mudanças que já havíamos previsto com o objetivo de adaptá-los ao perfil e às necessidades de nossos participantes, acrescentando novas atividades e simuladores, com o objetivo de favorecer aspectos específicos relacionados às atividades da vida diária.

Paralelamente, pudemos constatar pelas observações realizadas que, após seis meses de prática com a NeuronUP, os participantes demonstram um maior grau de autonomia e iniciativa. Assim como uma maior capacidade de realizar as atividades, de usar o computador e o site da NeuronUP, de iniciar e gerenciar sua própria sessão etc.

Da mesma forma, ao transferir para as atividades da vida diária, usando a metodologia de aprendizagem mediada, eles também melhoraram sua capacidade de identificar as funções cognitivas trabalhadas, relacionando-as às atividades e/ou tarefas que realizam em sua vida diária.

Graças a todas essas mudanças, conseguimos aumentar a adesão às sessões de estimulação cognitiva, a motivação e o número de participantes.

Terceira fase da intervenção

Atualmente, para a terceira fase da intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down, desenvolvemos um novo programa ao qual adicionamos novas atividades e que pode ser trabalhado com base em 5 níveis diferentes de dificuldade.

Esses níveis respondem a diferentes necessidades e capacidades que observamos em nossos participantes, uma vez que os perfis são muito diferentes entre eles:

  1. Nível alto: para participantes com bom entendimento e bom nível cognitivo. Eles trabalham de forma totalmente autônoma.
  2. Nível médio-alto: para participantes que leem e escrevem bem, mas o ritmo é mais lento e/ou precisam de apoio ocasional.
  3. Nível médio: para aqueles que leem e escrevem, mas têm uma taxa de compreensão média-baixa.
  4. Nível médio-baixo: para participantes com dificuldades de leitura, mas que, com apoio visual, são capazes de resolver atividades simples de leitura.
  5. Nível baixo: projetado apenas com atividades visuais para todos aqueles que não adquiriram habilidades de leitura e escrita e precisam de apoio.

A metodologia que utilizamos nos permite trabalhar as diferentes habilidades, planejando-as com seus objetivos específicos, sequenciando-as e analisando as estratégias utilizadas. Tudo isso favorece a discussão de ideias e a generalização do que foi aprendido, bem como a avaliação do progresso feito periodicamente.

«Os participantes avaliam esse programa de forma muito positiva, pois consideram as atividades motivadoras e, em muitos casos, um desafio a ser superado.»

Cada vez mais pessoas têm solicitado trabalhar com a NeuronUP, o que nos dá grande satisfação. Estamos convencidos de que tem um impacto na melhoria do desempenho cognitivo e uma influência positiva na aquisição de habilidades e autonomia pessoal. Em suma, facilita a inserção no mercado de trabalho e promove uma melhor qualidade de vida.

Intervenção cognitiva com a NeuronUP em pessoas com síndrome de Down e disfunção leve

Também estamos aplicando-a de forma personalizada como uma intervenção terapêutica não farmacológica em um pequeno grupo de pessoas que já estão no estágio pós-laboral e que participam do programa Aura Vital. Algumas dessas pessoas iniciaram um processo de deterioração leve e outras já foram diagnosticadas com a doença de Alzheimer em sua primeira fase.

Estamos convencidos de que a NeuronUP pode aprimorar as funções preservadas e retardar a progressão da deterioração cognitiva, pois ela se baseia nos princípios fundamentais da intervenção cognitiva, ou seja, a neuroplasticidade e a psicoestimulação.

Em resumo, na Aura Fundació, apostamos na NeuronUP porque ela nos permite adaptar a intervenção ao indivíduo e favorecer a manutenção e o desenvolvimento cognitivo.

Se você gostou deste artigo sobre intervenção cognitiva para pessoas com síndrome de Down, talvez também se interesse nas informações a seguir:

Qual é o trabalho de uma Associação de Síndrome de Down? O caso da Down Navarra

Neste artigo, a Down Navarra explica o trabalho de uma Associação de Síndrome de Down e sua experiência na aplicação de estimulação cognitiva com o NeuronUP. O que é síndrome de down? A síndrome de Down (SD) é uma anomalia congênita decorrente do aparecimento de um cromossomo extra no…

Ler mais Qual é o trabalho de uma Associação de Síndrome de Down? O caso da Down Navarra

Sair da versão mobile