NeuronUP Brasil

ChemoBrain: Existe um deterioro cognitivo em sobreviventes de câncer?

Antes de responder a esta pergunta, é conveniente fazer uma contextualização em diferentes áreas. Em primeiro lugar, é necessário dizer que há uma tendência geral no aumento de sobreviventes de câncer nos últimos anos. Os epidemiologistas estão detectando um aumento de sobreviventes, inclusive quando se trata de tumores com pior prognóstico. No entanto, existe um risco de pagar um preço muito alto ao receber uma intervenção terapêutica. Estamos falando sobre ChemoBrain.

O que é a ChemoBrain?

ChemoBrain é uma condição caracterizada por um deterioro cognitivo, especialmente com dificuldade de processamento de informações, que se dá em pessoas que recebem quimioterapia ou em sobreviventes de câncer.

É importante diferenciar entre o deterioro cognitivo causado por certos agentes quimioterápicos que são neurotóxicos e o comprometimento cognitivo como consequência de tumores no sistema nervoso central.

Ao existir diferentes tipos de quimioterapia com mecanismos de ação particulares, vários efeitos podem ser produzidos no cérebro e, consequentemente, na função cognitiva. Isso causa um desafio na hora de diagnosticar a ChemoBrain. A dificuldade se dá pela necessidade de fazer uma interpretação clínica individual para cada paciente.

Faltam critérios em relação às ferramentas que fornecem informações para detectar a ChemoBrain, como exames de sangue, técnicas de imagens cerebrais ou o aparecimento de múltiplos sintomas (fadiga, ansiedade, dor, anemia, etc.).

Em resumo, atualmente não há um consenso sobre a definição da síndrome ou do fenótipo (efeitos adversos do tratamento) da ChemoBrain.

Sintomas característicos da ChemoBrain

Segundo o MD Anderson Center, estes são os sintomas característicos da ChemoBrain:

  • Dificuldade para se concentrar em uma tarefa específica.

Como enfrentar a ChemoBrain?

O objetivo será minimizar os efeitos adversos do tratamento e maximizar a função cognitiva, mediante a manutenção da saúde cerebral.

No entanto, é essencial considerar a comorbilidade, e condições como fadiga relacionada com o câncer ou alteração do sono.

Há estudos comprovados que afirmam queo aprimoramento das funções cognitivas se baseia em:

  • Prática de exercício físico.
  • Realização de terapias cognitivo-comportamentais.
  • Estimulação cognitiva.
  • Modificações ambientais e a psicoeducação.

Bibliografia

Allemani C, Matsuda T, Di Carlo V, Harewood R, Matz M, Nikšić M, Bonaventure A, Valkov M, Johnson CJ, Estève J, Ogunbiyi OJ. Global surveillance of trends in cancer survival 2000–14 (CONCORD-3): analysis of individual records for 37 513 025 patients diagnosed with one of 18 cancers from 322 population-based registries in 71 countries. The Lancet. 2018 Mar 17;391(10125):1023-75.

Wefel JS, Vardy J, Ahles T, Schagen SB. International Cognition and Cancer Task Force recommendations to harmonise studies of cognitive function in patients with cancer. The lancet oncology. 2011 Jul 1;12(7):703-8.

Ferguson RJ, Cassel AG, Dawson RF. Cognitive effects of cancer chemotherapy in adult cancer survivors: Cognitive-behavioral management. Journal of Rational-Emotive & Cognitive-Behavior Therapy. 2010 Mar 1;28(1):25-41. Gehring K, Aaronson NK, Taphoorn MJ, Sitskoorn MM. Interventions for cognitive deficits in patients with a brain tumor: an update. Expert review of anticancer therapy. 2010 Nov 1;10(11):1779-95.

Sair da versão mobile